sexta-feira, 12 de março de 2010

Reflexões e Frustrações

Mês de março e nada certo na minha vida, aliás existe alguma coisa certa na vida?
O que é viver se não abrir a cada dia uma caixinha de surpresa?
Aliás, nestes 5 meses que se passaram as surpresas dessa caixinha na maioria das vezes não foram boas.
Há que diga que defender o mestrado é difícil de mais, pois eu digo o contrário, a pós defesa é bem pior. É na pós defesa que você descobre a realidade, é convocado a vida real, onde a academia muitas vezes pouco importa. Nesta fase tomei nota de palavras assustadoras, como, desemprego, ética, ou melhor, falta de ética. Descobri que o mestrado é uma coisa banal e que nos concursos importam os doutores e nos processos para professor substituto para Ensino Médio e Fundamental, não importa o quanto você tenha estudado, eles querem apenas saber se você tem ou não licenciatura, a competência não é avaliada pelo Estado. Em busca desta licenciatura voltei a faculdade, da onde saio decepcionada quase todos os dias, nestes meus quase 5 anos de Geógrafa não houveram mudanças significativas na sala de aula, sou obrigada a entrar nas mesmas discussões da graduação, as mesmas discussões que não levam a nada. Pior que isso, por uma política interna da universidade sou obrigada a refazer matérias em que já fui aprovada, simplesmente para atender a carga horária, o detalhe é que a carga horária de um bacharel é muito maior. Imagine a carga de um bacharel Mestre? Mas bem, isso não importa para o Estado assim como o trabalho do bacharel em Geografia não importa para a sociedade. Aliás, o que faz mesmo um Geógrafo? Atualmente discute o homem, a ''natureza'' as questões ambientais, a geografia urbana, o clima, as rochas, a política, a cultura, o espaço, tudo que está inserido no espaço, tudo, tudo, demasiadamente tudo o que deixou minha ciência subjetiva, abstrata. Perdida entre tantos contrastes. Eu ainda acredito em mudanças, embora a sala de aula me diga o contrário, eu não vejo com freqüência a paixão em sala de aula, e não preciso de licenciatura para saber que precisa de paixão para desenvolver qualquer atividade que envolva professor e aluno. Digo, ‘’envolver professor e aluno’’, o que vejo na maioria das vezes são professores e alunos, como coisas a parte, sem integração, sem motivação. Isso me cansa e me faz pensar em prognósticos ainda mais em negativo, prognósticos agora que vão além da geografia, pois desanima também quem está em processo de formação. Já não basta os geógrafos terem perdido o direito de mapear, caso de (SISLEG) estamos perdendo a capacidade de motivar e com isso desmotivamo-nos também. Até quando vamos observar o geógrafo separado do professor de geografia? Até quando vamos continuar inventando mais e mais objetos de estudo e perdendo o nosso foco principal?
Geografia por Geografia e não por paixão. Embora triste com isso nestes 5 meses continuo lutando pela minha ciência seja em casa, seja na universidade onde em um Colóquio vou mostrar um pouquinho das minhas idéias sem receber nada de dinheiro por isso, mas tendo a certeza ou a esperança de poder mostrar um pouquinho dessa paixão perdida em algum canto da sala de aula em que se ministravam aulas de geografia, é meu jeito de fazer geografia enquanto ainda não tenho minha sala de aula, enquanto estudo para concursos que irão acontecer em várias cidades do país.

4 comentários:

  1. Eliza,
    A vida academica nao e e nunca foi um lugar confortavel. Engracado que me identifiquei com muitas coisas que voce escreveu, especialmente quando fala que a ciencia esta ficado demasiadamente subjetiva.
    Com Historia (e eu sou Historiador) acontece o mesmo. A tendencia e saber cada vez mais de cada vez menos, isso se chama especificidade. Acontece que isso so causa mais disparidades no mercado de trabalho, nao sei ate quando isso e bom. O mestrado e o doutorado tratam disso, especificidade. Acho que isto e uma faca de 2 gumes...
    A desmotivacao eu vi na pele quando me formei em 2005 e fui dar aula. Tinha uma promessa/convite para mestrado, mas desanimei quando na sala de aula encontrei alunos que so queriam saber de sexo/ funk/ drogas.
    A paixao acabou em menos de seis meses, caiu a ficha. Nem o mestrado fiz...
    Mesmo nao tendo muita bola pra te aconselhar a nao desanimar ai vai: Nao desanime! Bola pra frente! Uma hora o sofrimento acaba! rs
    Estava olhando meu blog, esperando minha namorada entrar no gmail dai vi o titulo do seu post e fiquei curioso, por isso li tudo.
    Abrazos de San Pedro de Atacama!
    Paulo

    ResponderExcluir
  2. Que foda! Concurso? Qualquer dia então vc vai acabar vindo para Brasília, aqui as pessoas vivem em função disso. Rs!

    ResponderExcluir
  3. hahahahaha tô chegando perto de Brasília, vou tentar uma vaga em Anápolis, é perto! rsrs

    ResponderExcluir
  4. Ce nao viu nada, olha a parte dois que ja ta no ar!!!! Abracao

    ResponderExcluir